Justiça condena cinco integrantes de organização criminosa que atua no Pará - JORNAL PASSAPORTE

ULTIMAS

terça-feira, 12 de julho de 2022

Justiça condena cinco integrantes de organização criminosa que atua no Pará


Após denúncia do GAECO, os membros do Comando Vermelho receberam a pena máxima prevista na Lei._
O juízo da Vara de Combate ao Crime Organizado no Estado do Pará (VCCO) proferiu, nesta terça-feira (12), sentença condenatória contra cinco integrantes da cúpula da facção criminosa que se autointitula Comando Vermelho. A sentença teve como base a denúncia oferecida pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (GAECO), do Ministério Público do Pará, e as provas coletadas durante o trabalho investigativo da Polícia Civil do Pará.

Os réus Charles França Vieira Batista, Daniel dos Santos Sousa, Mateus Santos da Silva, Rairon de Araújo Dias e Wesley de Alcântara Almeida receberam a pena de 22 anos de reclusão pelos crimes de integrar organização criminosa (Lei 12.850/13), e de associação para o tráfico de drogas (Lei 11.343/06). Nenhum deles poderá recorrer em liberdade.

“Restou provado nos autos que os réus em questão são integrantes da perigosa organização criminosa Comando Vermelho, de modo a autorizar o édito condenatório em face dos mesmos, como dito, ressaltando-se, dessa forma, que emergem dos autos que os réus participavam do grupo de WhatsApp denominado “futebol”, o qual não tinha relação com o esporte, mas sim era utilizado para a organização dos crimes perpetrados pela mencionada organização criminosa, sendo que, no aludido grupo, faziam parte faccionados do Comando Vermelho, onde debatiam questões referentes a diversos crimes praticados pela aludida organização criminosa, conforme se verifica claramente da extração de dados constante dos presentes autos”, pontuaram os juízes da VCCO na sentença condenatória.

Ao negar aos réus o direito de recorrerem em liberdade, a Justiça ordenou a expedição imediata da guia de cumprimento provisório para que todos iniciem o cumprimento de suas penas no regime fechado. 

_Com informações GAECO/MPPA_

Nenhum comentário:

Postar um comentário