Defesa e Forças Armadas vão à Justiça contra Ciro Gomes - JORNAL PASSAPORTE

ULTIMAS

quinta-feira, 23 de junho de 2022

Defesa e Forças Armadas vão à Justiça contra Ciro Gomes


Pré-candidato do PDT à Presidência afirmou que militares foram coniventes com o crime organizado na Amazônia


Ciro Gomes Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Na noite desta quinta-feira (23), o Ministério da Defesa informou que os comandantes das Forças Armadas e o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, acionaram a Justiça contra o pré-candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes. O motivo foi uma declaração pelo político sobre as Forças Armadas serem coniventes com o crime organizado na Amazônia.

Além do ministro, assinam o documento Almir Garnier Santos, comandante da Marinha, Marco Antônio Freire Gomes, comandante do Exército e Carlos de Almeida Baptista Junior, comandante da Aeronáutica.

Leia também

O texto afirma que as acusações de Ciro Gomes são levianas e “afetam gravemente a reputação e a dignidade dessas respeitadas Instituições da Nação brasileira, cuja honra, valores e tradições se confundem com a própria identidade do Povo brasileiro”.

A notícia-crime foi apresentada à Procuradoria-Geral da República (PGR) para apurar se houve crimes de “incitar, publicamente, animosidade entre as Forças Armadas, ou delas contra os poderes constitucionais, as instituições civis ou a sociedade” (artigo 286, parágrafo único, do Código Penal); e “propalar fatos, que sabe inverídicos, capazes de ofender a dignidade ou abalar o crédito das Forças Armadas ou a confiança que estas merecem do público” (artigo 219, do Código Penal Militar)”.

Leia a íntegra da nota:

O Ministério da Defesa e as Forças Armadas repudiam, veementemente, as irresponsáveis declarações do senhor Ciro Ferreira Gomes, que, em entrevista a uma emissora de rádio de abrangência nacional, veiculada na terça-feira (21.6), acusou as Forças Armadas de serem coniventes com o crime organizado na Amazônia. Tais acusações levianas afetam gravemente a reputação e a dignidade dessas respeitadas Instituições da Nação brasileira, cuja honra, valores e tradições se confundem com a própria identidade do Povo brasileiro.

Não é admissível, em um estado democrático, que sejam feitas acusações infundadas de crime, sem a necessária identificação da autoria por parte do acusador e sem a devida apresentação de provas, ainda mais quando dirigidas a Instituições perenes do Estado brasileiro.

Em razão disso, o Ministro da Defesa e os Comandantes das Forças Armadas apresentaram, nesta quinta-feira (23.6), notícia de crime ao Procurador-Geral da República contra o senhor Ciro Ferreira Gomes, com o objetivo de que seja apurado o suposto cometimento dos crimes de “Incitar, publicamente, animosidade entre as Forças Armadas, ou delas contra os poderes constitucionais, as instituições civis ou a sociedade” (artigo 286, parágrafo único, do Código Penal); e “Propalar fatos, que sabe inverídicos, capazes de ofender a dignidade ou abalar o crédito das Forças Armadas ou a confiança que estas merecem do público” (artigo 219, do Código Penal Militar).

Por fim, as Forças Armadas muito se orgulham de atuar na defesa e na proteção da Amazônia e de realizar, regularmente, ações de combate a ilícitos ambientais e transfronteiriços, desenvolvidas em conjunto com outros órgãos governamentais, bem como no auxílio à população brasileira nas situações de dificuldade e nas atividades em prol do seu bem-estar e do desenvolvimento nacional. Graças à sua conduta, os militares contam com a mais elevada confiança dos brasileiros.

Brasília-DF, 23 de junho de 2022.

Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira

Ministro de Estado da Defesa

Almir Garnier Santos – Almirante de Esquadra

Comandante da Marinha

General de Exército Marco Antônio Freire Gomes

Comandante do Exército

Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior

Comandante da Aeronáutica

Nenhum comentário:

Postar um comentário