Greve de ônibus na Grande Belém entra no segundo dia; entenda impasse - JORNAL PASSAPORTE

ULTIMAS

quarta-feira, 4 de maio de 2022

Greve de ônibus na Grande Belém entra no segundo dia; entenda impasse


Paralisação continua e afeta cerca de 750 mil pessoas, segundo empresas. Expectativa é por reunião entre trabalhadores e Setransbel para tentar negociações.
A greve dos rodoviários chega ao segundo dia na Grabde Belém sem negociação da categoria com as empresa. Há expectativa para reunião de negociações salariais nesta quarta-feira (04).

A paralisação atinge 19 linhas de transporte público de Belém, Ananindeua e Marituba. Segundo o sindicato das empresas, a estimativa é que cerca de 750 mil pessoas estejam sendo afetadas.

Às 00h de terça-feira (03), os trabalhadores entraram entrar em greve, após não concordar com a proposta feita pelo Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário e Belém (Setransbel).

Ao longo de terça, nenhum ônibus havia saído das garagens, segundo os trabalhadores. Mas a Justiça do Trabalho determinou, ainda na no mesmo dia, que 40% da frota circulassem mesmo com a greve e, ao final do dia, alguns ônibus começaram a ônibus circular.
A falta de transporte público afetou os trabalhadores e impactou até no comércio que vivia a expectativa de alta das vendas com a chegada do Dia das Mães.

Impasse
O anúncio da greve foi feito na noite desta segunda-feira (02), após assembleia da categoria que reivindica reajuste salarial de 12%.

O Setransbel afirmou em nota que ofereceu "reajuste imediato de 4% linear para salário, ticket alimentação e auxílio clínica". Não houve acordo e a greve foi deflagrada.

"Veio uma proposta da Prefeitura de Belém de isenção de alguns impostos para aumentar mais 3% nosso reajuste, mas é incerto. Também tem a proposta do Governo do Estado do ICMS do combustível de 17%, mas também é incerto", declarou o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belém (Sintrobel).

A Setransbel informou ainda que se comprometeu em atingir a pretensão da classe "zerando as perdas do último ano, que giram em torno de 12%, na medida em que o poder público for concedendo as desonerações relativas ao ISS, taxa de gerenciamento e ICMS Diesel, uma vez que o corte de R$ 1 na tarifa técnica está causando prejuízo mensal ao sistema na ordem de R$ 12 milhões e retirou das empresas a possibilidade de assumir reajuste em percentual maior", diz a nota.
Tarifa de passagem
No último dia 28 de março, entrou em vigor o novo valor da tarifa de ônibus em Belém, que aumentou de R$ 3,60 para R$ 4. Segundo o Dieese/PA, o aumento de preço foi de 11,11% em relação ao valor anterior. O reajuste de R$ 4 ficou abaixo dos R$ 5 aprovado pelo Conselho Municipal de Transportes.

Os ônibus da cidade estão sucateados, segundo usuários. Há registros recentes de pane, redução de linhas em bairros como a Marambaia, porta traseira se desprendendo e atingindo passageira.

Já as empresas, alegam que a redução do total de passageiros, o aumento dos combustíveis e a falta de alternativas de arrecadação, além da tarifa, influenciam diretamente no preço pago pelos usuários e nos baixos, ou quase inexistentes, investimentos no serviço.

Licitação
Uma das expectativas para ajudar na melhoria do transporte coletivo na região é o edital de licitação para o transporte público da capital. O projeto foi apresentado na última semana à secretaria de mobilidae, deve passar pelo prefeito e ir para consulta pública, o que ainda não tem previsão.

Está previsto que o projeto seja disponibilizado no site da Semob para consulta pública, durante 30 dias. Com o período de consulta encerrado, a Semob disse que as sugestões serão sistematizadas e divulgadas.
Fonte G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário