Gastronomia é ponto alto do segundo dia da FITA 2022 - JORNAL PASSAPORTE

ULTIMAS

sábado, 7 de maio de 2022

Gastronomia é ponto alto do segundo dia da FITA 2022


Convidados destacaram a importância de ingredientes, sabores e fazeres para o turismo

Que a autêntica e original gastronomia paraense é reconhecida nacional e mundialmente não é novidade para ninguém. Também é verdade que gastronomia e turismo caminham juntos em um dos segmentos que mais cresce no mercado global. Na noite da última sexta-feira (06), especialistas do setor debateram a importância da gastronomia para o turismo na primeira palestra-show da décima edição da Feira Internacional de Turismo da Amazônia (FITA), na Estação das Docas.

Uma das atrações da noite foi a chef paulistana Bel Coelho. Com mais de 20 anos de carreira, ela passou por casas de renome e hoje comanda o restaurante Clandestino em São Paulo. Formada no Culinary Institute of America, na cidade de Nova Iorque, já trabalhou com Alex Atala, no D.O.M. Tornou-se conhecida a partir de 2003 como chefe do restaurante Madelleine. No ano seguinte passou a comandar a cozinha do Sabuji e recebeu o prêmio de Chef Revelação, oferecido pelo júri da Veja São Paulo, na edição Guia Comer e Beber.

"Mais que difundir o turismo gastronômico, a culinária tem um papel muito grande no turismo. Nós, enquanto chefs, precisamos fazer com que o resto do Brasil conheça o tucupi, o jambu, a maniçoba, as ervas, a priprioca. incorporar esses produtos em nossos pratos para que eles se tornem conhecidos lá fora", garante a chef, que é uma entusiasta dos ingredientes amazônicos.

A jornalista Mariella Lazaretti - diretora-responsável da Editora 4 Capas, que faz a revista "Prazeres da Mesa", a revista bilíngue "Mesa Tendências" e "Just For", que mediou o debate com a presença também do chef santareno Saulo Jennings e o executivo Georges Schnyder, comentou a importância da Amazônia como fonte de recursos naturais.

"Acho que todo mundo aqui entendeu a importância da floresta em pé. Todos esses ingredientes que estão aqui são encontrados na floresta. Isso mostra o quanto a floresta em pé tem muito mais valor do que uma área derrubada e desmatada", disse ao reforçar a importância da bieconomia, um movimento que o Governo do Pará está na vanguarda na região e no Brasil.

Saulo Jennings reforçou que, para ele, o importante é ser um elemento multiplicador dessa cultura local, dos seus elementos, ingredientes, conhecimentos e saberes como uma plataforma para outros mercados.

"Gastronomia tem que ser verdadeira. O Saulo é o embaixador desse movimento, mas vocês aqui presentes também precisam se apropriar disso como parte do processo. Vamos mostrar isso de uma forma forte no Brasil e no mundo", resumiu Georges Schnyder, diretor executivo do "Mundo Mesa", plataforma de gastronomia que proporciona experiências através da produção de conteúdo.

Painéis temáticos

A programação da sexta-feira também trouxe dois painéis temáticos ligados ao tema da FITA 2022, "Turismo Inteligente: Conexões e Experiências Sustentáveis". O primeiro deles falou sobre Cidades Criativas com a participação de Virgínia Casado (Unesco), Leandro Lima (Cidade Criativa Salvador) e o vice-presidente da Codem, Luiz Rodrigo Neves.

Virgínia Casado, oficial de Projetos do Setor de Cultura na Representação da UNESCO no Brasil, destacou a importância dos marcos conceituais para a manutenção dos títulos de "Cidade Criativa da Gastronomia" em Belém e de "Cidade Criativa Musical" em Salvador. A concessão é uma base para o fortalecimento turístico e o reconhecimento do desenvolvimento das atividades criativas.

"O título de Cidade Criativa é uma chancela que tem reconhecimento mundial, imagina que Belém é uma dessas, o mundo inteiro sabe que a cidade de Belém está entre as poucas mais de duzentas no mundo que é o modelo para tal atividade", explica Virgínia Casado.

No debate do painel de Destinos Inteligentes estiveram presentes Nicole Facuri (MTur), Gonzalo La Rosa (Ciudades del Futuro) e o consultor internacional Ítalo Mendes.

"Quando a gente fala de Destinos Turísticos Inteligentes (DTI), a gente está falando de uma metodologia e de um plano de transformação. São estratégias básicas e simples, não precisa ser necessariamente tecnologia, mas meios temáticos e sustentáveis de turismo, por exemplo, que de uma forma possibilite ao turista ter uma experiência mais segura e acessível", concluiu Nicole Facuri.

Texto: Ascom Setur


Nenhum comentário:

Postar um comentário