Música e emoção marcam o encerramento da segunda edição do Festival Paraense de talentos com a inclusão do Autismo. - JORNAL PASSAPORTE

ULTIMAS

domingo, 3 de abril de 2022

Música e emoção marcam o encerramento da segunda edição do Festival Paraense de talentos com a inclusão do Autismo.

O palco do Theatro da Paz, em Belém, foi o cenário para a apresentação de pessoas com transtorno do espectro do autismo na segunda edição do Festival Paraense TEAlentos. A emoção tomou conta da plateia logo na primeira apresentação. Ao piano, o músico José Carlos abriu o festival, evento alusivo ao Dia Mundial da Conscientização do Autismo - 02 de Abril.Ritmos paraenses, como carimbó e guitarrada, também fizeram parte da programação, que traz ao público as habilidades de pessoas com TEA. Pela primeira vez participando do festival, Lucas Penin subiu ao palco e cantou sua música preferida, Naked, de James Arthur. Ao final, recebeu o abraço emocionado da mãe. "Meus pais amam essa música, e eles me fizeram escolher essa canção. Ela representa uma fase boa da minha vida. A música é tudo na minha vida. Eu quero ser músico. Cantar no Theatro da Paz é uma honra também", disse Lucas.Para Nádia Amaral, mãe do jovem músico, o desafio foi segurar a emoção. "Estou muito emocionada de tá aqui hoje. A vida do autista e do familiar do autista não é fácil. O coração nunca tá preparado para uma apresentação como essa, e no Theatro da Paz, símbolo importante da nossa cidade", ressaltou Nádia.Ao som de The Beatles, Ana Carolina Lima também animou o público. Também houve apresentações de hip hop, gafieira, rock e vaquejada.Na lateral do TP foi montada uma exposição com obras dos artistas do Projeto TEAlentos. Quem visitou o local viu, entre vários trabalhos, a criatividade de Genilson Rodrigues e seu Bumblebbe, da saga Transformers. "Estou muito feliz de tá ao lado da minha família. Eu sou fã dos Transformers. Estou gostando muito de participar do TEAlentos", disse o adolescente de 14 anos.A coordenadora do Núcleo de Atendimento ao Transtorno do Espetro Autista, Nayara Barbalho, disse que o projeto "era uma ideia pequena, e tivemos a coragem, através da Sespa (Secretaria de Estado de Saúde Pública), de fazer no meio da pandemia, de forma on line, e foi sucesso de público. Hoje, a gente tem uma ampliação do projeto com mais público e mais pessoas se apresentando".Novo centro - O governador do estado parabenizou os participantes do projeto e ressaltou a ampliação do projeto. "Nesta semana iniciamos as obras do Cetea, nosso centro especializado no tratamento de pessoas com espectro autista, quee se junta ao nosso Natea (núcleo que faz esse atendimento). No mês de abril estaremos avançando para núcleos do interior, em hospitais de Tucuruí e da Região Rio Caeté", informou."Estamos muito felizes com o resultado. Isso mostra a importância de pensar políticas públicas no campo da educação inclusiva", enfatizou o titular da Sespa, Rômulo Rodovalho.O evento foi realizado pela Secretaria de Saúde Pública, em parceria com a Secretaria de Estado de Cultura (Secult), Secretaria de Estado de Comunicação (Secom) e Fundação Cultura do Pará (FCP).Texto: Tatiane Freitas - Ascom

Nenhum comentário:

Postar um comentário