Filas imensas para comer na UFPA - JORNAL PASSAPORTE

ULTIMAS

quarta-feira, 6 de abril de 2022

Filas imensas para comer na UFPA


Prossegue a reclamação generalizada dos alunos da Universidade Federal do Pará contra o a empresa prestadora de serviço, terceirizada, responsável por servir refeições para a comunidade universitária daquela Instituição de Ensino Superior. 
ALUNOS CARENTES
O modo como as refeições têm sido servidas tem prejudicado demais os alunos, especialmente os mais carentes que precisam fazer suas refeições na UFPa., por ser um alimento mais em conta para eles.
FILAS QUILOMÉTRICAS PARA COMER
Muitos alunos moram em bairros distantes ou mesmo em outras cidades e precisam comer dentro do campus pioneiro do Guamá. As filas são tão grandes, que os alunos perdem, em média, duas horas na fila. Esse tempo é de estudo perdido.
NÚMEROS DE FUNCIONÁRIOS INSUFICIENTES
Medidas simples, segundo os entrevistados, poderiam ser adotados pela empresa, que ganha dinheiro vendendo comida para os alunos. A primeira seria aumentar o número de funcionários para o atendimento do aluno, para servir a comida, o que emperra a fila, tornando-a lenta e leva desconforto e perda de tempo para os alunos.
FALTA PRATO E TALHER
Os utensílios usados para servir a comida são poucos, obrigando os poucos funcionários designados pela empresa a lavar o material, o que toma mais tempo e enquanto isso, o aluno espera faminto, a hora de ser atendido. Outra queixa do alunado, é a quantidade de comida servida. Eles consideram pouca.
ECONOMIA DE GUERRA
A empresa reduziu a quantidade servida neste ano. Os alunos dizem que saem do restaurante com fome. Até a farinha e a farofa é racionada, como se estivéssemos em guerra aqui na América do Sul e não no leste europeu.
HORÁRIO
O horário em que a boia é servida vai de 11 horas até às 14 horas. Eles acham que melhoraria o atendimento para o almoço se o serviço fosse prestado de 11 horas até 15 horas e o jantar, que é de 18 horas às 19h15, fosse servido de 17 às 19h15.  
DIRTEITOS HUMANOS
Milhares de alunos dependem do restaurante universitário para comer e assim ter energia para estudar. O modo como a prestadora de serviço tem alimentado os alunos, chega a ferir os direitos humanos, tão decantado nas faculdades de direito do país.
DERRADEIRAS
<A alimentação é uma necessidade básica para qualquer ser humano. Os alunos e a comunidade universitária de um modo geral, tem sofrido, com essas dificuldades para se alimentar diariamente, o que chega a ser um suplício. De que adianta alimentar a universidade com obras, bibliotecas, salas climatizadas, computadores, se o aluno se alimenta de maneira imprópria, o que se reflete em sua produção? Questionou um aluno.
<Alguém precisa tomar uma atitude ou providência no sentido de solucionar essa demanda dos estudantes da Universidade Federal do Pará. Existem mães, que mesmo com dificuldade, levam marmitas para os filhos no horário do almoço ou o próprio aluno virou um boia-fria, trazendo sua própria alimentação.
<Vários alunos comem dentro da sala de aula, a comida que trazem de casa ou mesmo no corredor dos pavilhões, durante as aulas. Machuca o coração de um pai ou de uma mãe, vendo uma situação dessa, fácil de ser resolvida, mas que as autoridades se mostram insensíveis com milhares de estudantes, cuja única preocupação é estudar, preparar-se para as lutas desta vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário