Farinha de Bragança e Alter do Chão são declarados patrimônios imateriais do Estado - JORNAL PASSAPORTE

ULTIMAS

sexta-feira, 29 de abril de 2022

Farinha de Bragança e Alter do Chão são declarados patrimônios imateriais do Estado


Reconhecer os aspectos culturais que sustentam a memória do povo paraense é um exercício de cidadania que o Governo do Pará tem como pilar para que a democratização no que tange à cultural regional seja realizada. Por este motivo, na última quinta-feira (28), foi declarada, no Diário Oficial do Estado (DOE), a Farinha de Bragança e o distrito de Alter do Chão, em Santarém, como patrimônios culturais de caráter imaterial do Pará, por meio das leis nº 9.541 e nº 9.543.

As ações promovidas no munícipio de Bragança refletiram resultados positivos na asseguração da produção de farinha por agricultores locais. Vista como principal sustento das famílias bragantinas, a Farinha de Bragança é um dos produtos de maior comercialização e de geração de renda na região, necessitando de amparo para os processos de torração à lenha até a chegada ao consumidor.

Como parte do patrimônio e tradição regional, é fundamental que a culinária local também seja valorizada do mesmo modo que as demais manifestações culturais existentes no Pará, destaca o titular da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), Bruno Chagas. "A culinária faz parte da identidade do povo do Pará e nós não poderíamos deixar de destacar a importância da farinha de Bragança como parte desse processo histórico da culinária paraense. Uma tradição que remete a origem do povo da Amazônia", afirma.

Os investimentos do Estado, com o apoio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), na região bragantina auxiliaram a suprir a agricultura familiar com o incentivo à sustentabilidade, através da criação da Unidade de Experimentação (U.E) Roça de Lenha, localizada na Comunidade Montenegro, cujo intuito principal se concentrou em conscientizar os produtores sobre os processos de como controlar a degradação ambiental através da plantação de espécies de madeira. O projeto contribuiu para que a farinha bragantina fosse reconhecida com o selo de Indicação Geográfica (IG), concedido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), em 2021, vista como boa reputação e qualidade produtiva.

Além desses recursos, foram entregues utensílios agrícolas para impulsionar a produção familiar. Com aproximação técnica da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), articulações também foram efetivadas com o propósito de desenvolver uma unidade demonstrativa que potencialize a produção tradicional da farinha.

Localizada na margem direita do Rio Tapajós, no Oeste do Pará, o distrito de Alter do Chão faz parte do munícipio de Santarém, onde foi instigado pelo Estado um sistema de abastecimento água que acumula cerca de 57% dos serviços executados. O investimento custou cerca de R$13 milhões, com o objetivo de beneficiar mais de 18 mil pessoas da região.

Não somente isso, está sendo construído na região o primeiro posto avançado do Corpo de Bombeiros Militar do Pará (CBMPA), que prevê um alojamento para o público masculino e feminino, com diversas áreas de serviços, junto de um espaço para o planejamento de ações de combate e prevenção de incêndios.

Em abril deste ano, o Governo autorizou, ainda, a abertura de um processo licitatório para a elaboração do projeto de reconstrução do Centro de Atendimento ao Turista (CAT) em Alter do Chão, que visa incentivar a rota turística na região.

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário