Exposição na Galeria Fidanza traz a memória afetiva do Círio por meio de um arraial em miriti - JORNAL PASSAPORTE

ULTIMAS

terça-feira, 21 de setembro de 2021

Exposição na Galeria Fidanza traz a memória afetiva do Círio por meio de um arraial em miriti


Além das peças confeccionadas pelos artesãos de Abaetetuba, inclusive uma réplica da roda gigante, há fotografias históricas e vídeos do antigo Largo de Nazaré

A ambiência profana não fica de fora da exposição "Arraial de Nazaré, largo de memórias", com os casais dançando ao som do miritiTodo morador ou visitante que já circulou por Belém no período do Círio tem pelo menos uma memória ligada ao antigo Largo de Nazaré, atual Praça Santuário de Nazaré e Estacionamento Santuário. Um dos símbolos da grande festividade católica realizada todos os anos no segundo domingo de outubro, o local abriga brinquedos, cores, sons e sabores, que fazem parte da história e das lembranças de pessoas de todas as idades. Com o intuito de homenagear e celebrar o arraial, o Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), abriu nesta terça-feira (21), a exposição "Arraial de Nazaré: um largo de memórias", na Galeria Fidanza do Museu de Arte Sacra.

O acervo reúne peças em miriti e fotografias históricas, cedidas pelo Museu do Círio. Entre os itens, está uma réplica de 4 metros de diâmetro da roda gigante, feita exclusivamente para a exposição, por artesãos do município de Abaetetuba. A peça permanece no espaço até dia 03 de outubro e pode ser movimentada cuidadosamente pelos visitantes. Miniaturas de brinquedos, pessoas, uma pequena procissão pelas águas, além da simulação de uma típica festa paraense - o Miriti Som - também colorem a Galeria Fidanza.

"O arraial de Nazaré, já presente desde o primeiro Círio em 1793, é um território de afetividade e memória, um espaço de diálogo entre a devoção reverente e alegria espontânea da festa, e assim é muito significativo para o Museu do Círio, através de seu acervo, trazer essa paisagem da nossa saudade, da infância de muitos, mas também por sua própria mensagem um voto de alegria para o futuro, mais festivo, com mais encontros, mais cultura e mais diálogo. O acervo da exposição, vinda da coleção de brinquedos populares do Museu do Círio, apresenta essa vontade de se pensar atento ao passado, ganhando fôlego para construir o futuro de nossas tradições", pontuou o diretor do Museu do Círio, Anselmo Paes.

MEMÓRIA

Com curadoria de Emanuel Franco, diretor do Museu de Arte Sacra; assistência curatorial de Anselmo Paes, diretor do Museu do Círio; e expografia da Coordenadoria de Curadoria e Montagem, a exposição agrega ainda dois vídeos: o primeiro reúne 20 fotografias do início do século XX e o segundo traz imagens desde o primeiro Círio de 1793 até o de 2019. A obra tem direção, roteiro, pesquisa e edição de Eduardo Souza e é resultado de uma ampla busca nos acervos do Museu da Imagem e do Som (MIS-PA), da Cinemateca Brasileira, entre outras fontes.

De acordo com o diretor do MAS, Emanuel Franco, a memória afetiva que as pessoas têm em relação ao Largo de Nazaré foi o ponto central da curadoria. "Pensamos numa exposição que fosse a memória desse local, aquilo que é muito significativo dessa identidade paralela ao Círio. Sem dúvida nenhuma, o Museu do Círio tem um acervo considerável desse material, então buscamos recortes alusivos a esse ponto da cidade que tem um significado tão grande para o povo paraense, mostrando os brinquedos, a roda gigante, as festas. Também destacamos a participação dos artesãos de Abaetetuba, que produziram todos os elementos de miriti trazidos aqui. Essa cadeia produtiva do artesanato de miriti é muito presente nas nossas exposições, principalmente no período do Círio", frisou o curador.

O coordenador de Curadoria e Montagem, Nando Lima, explicou como ocorreu o processo de expografia da mostra. "Nós sempre partimos do que está sendo proposto como tema, então no caso do arraial buscamos elementos que combinassem com esse momento de festas, de alegria e euforia que é o arraial. Às imagens, optamos por trazer em um tom sépia, mas as mesas onde estão expostos os brinquedos são bem coloridas para que conversem com o miriti, tudo isso se destaca no fundo branco da Galeria, tornando uma exposição bem limpa visualmente", detalhou.

EMOÇÃO

Servidora do Museu do Círio há 32 anos, Maria do Ceo contribuiu na seleção das peças e se emocionou com o resultado do trabalho. "Eu tenho muito amor pelo Círio e não consigo deixar isso de fora, então na hora de selecionar vejo aquele lado alegre do paraense, da pessoa dançar o brega, do costume lúdico de brincar no parque. O Círio é um abraço de amor, de fé, de cada um que trabalha e que participa dessa festa para Nossa Senhora de Nazaré e isso me emociona porque traz memórias da vida inteira", disse.

A mostra segue até 16 de novembro. Por conta da programação da Primavera dos Museus, a visitação será gratuita para todos os públicos até o próximo domingo, 26 de setembro.

Serviço
Exposição Arraial de Nazaré: um largo de memórias
Período: 21 de setembro a 16 de novembro
Local: Galeria Fidanza do Museu de Arte Sacra
Entrada franca até 26 de setembro

*Texto de Thaís Siqueira (Secult)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial