O que eles fazem na quarentena em Santarém, com direito à pescaria - JORNAL PASSAPORTE

ULTIMAS

quarta-feira, 20 de maio de 2020

O que eles fazem na quarentena em Santarém, com direito à pescaria

O que eles fazem na quarentena, em Santarém. O que o canal Turismo Aqui descobriu sobre algumas pessoas ligadas à aventura e aos serviços turísticos. 
A quarentena recomenda isolamento social. E todos se recolheram em suas casas, ou mesmo buscaram refúgio no interior. Elvis, que é condutor de turismo no Terminal Fluvial de Sanatrém, optou pelo interior, onde moram seus parentes, mas, para não se entregar à rotina, pesca. E a pescaria dele dá o maior resultado, já que costuma fisgar tambaqui e pirapitinga, peixes regionais muito conhecidos.
Ed Figueira, que mora em Alter do Chão, aproveita os finais de semana para explorar o entorno da vila, envolvendo a família. Além de professor, ele é guia de turismo, e faz passeios para levar turistas do mundo inteiro para conhecer as belezas naturais da região, mas em tempos de pandemia se voltou para a família para mostrar aquilo que somente mostra aos visitantes.
Existem os aventureiros de motonáutica, que costumam singrar as águas do oeste do Pará, e mesmo da Amazônia, para conhecer novos lugares. De jet ski, eles se dedicam à aventura, mas tiveram que se recolher depois que a quarentena foi instituída. A última aventura aconteceu no mês de fevereiro, enquanto foi possível reunir os amigos para fazer aquilo que mais gostam, que é procurar por caminhos nunca antes navegados.
O chef de cozinha Saulo Jennings, dono do Restaurante Casa do Saulo, passa os dias em casa, em um dos lugares mais bonitos do turismo de Santarém, onde está o seu restaurante. Junto à família, aproveita para interagir com os filhos e esposa, além de fazer experimentos quanto a novos pratos. A Casa do Saulo foi, por dois anos consecutivos, escolhido como o melhor restaurante da região Norte, pela revista Prazeres da Mesa.
Mas o canal Turismo Aqui pontuou a Piracaia, que é o costume do povo de Santarém, até a década de 1970, de assar peixe na beira da praia, para reunir amigos. Que a Piracaia seja um simbolismo daquilo que precisamos e queremos para os próximos dias, depois da quarentena. Estamos precisando de ar livre, ar puro e contato com pessoas, com amigos, com a natureza. Que a liberdade, dada por Deus, nos seja concedida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial