ÚLTIMAS NOTÍCIAS

“Uma Jovem Chamada Maria”.

Quando, anos atrás, o padre Fábio de Melo, ao ver a multidão que acompanha o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, escreveu, em uma canção: “Há de ser mistério agora e sempre/ Nenhuma explicação sabe explicar/ É muito mais que ver um mar de gente/ Nas ruas de Belém a festejar/ É fato que a palavra não alcança...”, ele sabia muito bem do que falava - e sentia.

Neste domingo, 14, a capital paraense viveu mais um de seus momentos em que “a palavra não alcança”, no 226º Círio de Nazaré, que este ano teve como uma das novidades a de sair uma hora mais tarde, às 7 horas, da Catedral de Belém, após missa solene celebrada pelo arcebispo de Belém, dom Alberto Taveira. 

O Círio de Nazaré é uma realização conjunta da Arquidiocese de Belém, Basílica Santuário de Nazaré, Diretoria da Festa de Nazaré, Governo do Estado do Pará e Prefeitura Municipal de Belém.

Em meio à multidão, com um terço na mão, a dona de casa Izabel Conceição Pompeu, de 60 anos, rezava, contrita, ao lado da filha e de uma das netas. Às 4 horas, elas saíram do bairro da Condor para assistir à missa na Catedral de Belém. “Sempre assisto ao Círio, mas há dez anos comecei a vir para assistir à missa aqui na Sé. Tenho sete filhos, 20 netos e cinco bisnetos e estamos todos bem, com saúde, em paz, com trabalho. E é por isso que eu venho agradecer, porque sei que Nossa Senhora cuida de todos nós”, contou, muito emocionada.

Procissão - Com a estimativa de ter levado 1,3 milhão de pessoas às ruas, que se espraiam num percurso de 3,6 quilômetros, entre a igreja da Sé e a Basílica de Nazaré e transversais, o Círio 2018 tem com tema “Uma Jovem Chamada Maria”.

O percurso foi vencido em cerca de cinco horas e ao meio-dia a berlinda que conduz a imagem da Virgem de Nazaré adentrou a praça Santuário.  A berlinda, que ganhou 35 centímetros a mais de altura este ano, veio ornamentada em tons dourados e com menos flores, o que deu mais visibilidade à Rainha da Amazônia, a Virgem de Nazaré.

Após a saída da berlinda, pontualmente às 7 horas, a procissão seguiu, com Nossa Senhora sendo conduzida, basicamente por membros da Guarda da Santa e percorreu rapidamente a avenida Boulevard Castilho França e às proximidades do convento dos Mercedários a berlinda se encontrou com a corda dos promesseiros.

Nesse momento - que este ano foi às 7h30 -, sempre carregado de tensão, porque o atrelamento precisa ser muito rápido, a multidão passou a conviver com o empurra-empurra dos promesseiros na corda, um dos maiores símbolos do Círio.

Em meio ao aperto de tanta gente, em tão pouco espaço, os exemplos de sacrifício físico começam a surgir e, com o forte calor àquela hora da manhã, muitas pessoas acabam passando mal e desmaiam. É aqui surgem os voluntários que cuidam dos romeiros, entre eles o que se voluntariam na Defesa Civil do Município.

O estacionamento do prédio dos Correios, na rua Ó de Almeida com a avenida Presidente Vargas, é um dos mais movimentados. Tanto que precisa de uma pessoa que, com um apito na boca, coordene a entrada das macas trazidas do meio da multidão.

Quem fez esse serviço este ano foi o estudante Renan Barbosa, que faz parte do voluntariado da Defesa Civil do Município desde o ano passado. “Aqui é um ponto muito buscado, porque a procissão já começou há algum tempo, o calor está forte e o sol também, então muitas pessoas passam mal e são trazidas para cá. Aqui só podem entrar os maqueiros e algum acompanhante, se a pessoa tiver”, explicou Renan, sem deixar de coordenar a entrada das macas.

Defesa - A Defesa Civil do Município atuou neste Círio com 2 mil pessoas, superando o número do ano passado. O treinamento dos voluntários foi realizado durante três dias, no mês de setembro. O grupo atuou na Trasladação e no Círio com serviços de primeiros socorros e ficou estabelecido em sete postos ao longo da procissão, localizados na sede do Clube do Remo; na antiga sede da Secretaria Municipal de Administração (Semad), na avenida Nazaré; nos Correios, Casa da Linguagem, estacionamento do Bradesco, Mercado de Carne e restaurante Avenida, com 80 socorristas e três técnicos em cada posto de atendimento.

Para Yan Miranda, coordenador da Defesa Civil, o sentimento é de dever cumprido. “O trabalho foi desenvolvido da melhor forma possível, e tivemos uma estrutura muito boa para nossas ações. Demos suporte a quem precisou e nos unimos aos outros órgãos de segurança, tanto que tivemos uma pessoa da Defesa Civil dentro da central com outras entidades do Estado e Município, todos juntos, o que facilitou bastante o nosso trabalho. Estamos muito felizes com mais este Círio e com o sucesso da operação”, enfatizou Yan.

A Guarda Municipal de Belém começou a atuar no Círio à meia-noite de domingo, com um efetivo de 156 agentes com o apoio de 11 motos e 11 viaturas, distribuídos em toda a extensão da procissão e no entorno, fazendo bloqueios de vias, a segurança das estações, o policiamento e a operação saturação nas praças da República e Santuário.

A Diretoria da Festa de Nazaré trabalha em parceria com os órgãos de saúde, segurança e trânsito para garantir melhor fluidez e segurança nas romarias. Neste ano, permaneceram as vias do corredor do Círio e suas transversais fechadas mais cedo, um dia antes, para garantir maior organização das procissões, ação da qual participaram também agentes da Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém (Semob). Outra providência foi a instalação de dezenas de banheiros químicos ao longo do percurso do Círio.

Celebração - Ao longo da romaria, muitas homenagens são prestadas à Nossa Senhora. Os integrantes da Banda da Guarda Municipal de Belém tocaram para os romeiros na avenida Nazaré.

Na arquibancada na avenida Presidente Vargas, em frente ao Cinema Olympia, um coral com integrantes de idades variadas cantou hinos e músicas à Nossa Senhora. O coral teve o apoio da Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).

Na sede da Companhia de Desenvolvimento e Administração da Área Metropolitana de Belém (Codem), o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, recebeu autoridades, servidores e convidados da Prefeitura de Belém e, juntos, assistiram à passagem da berlinda de Nossa Senhora e prestaram homenagens.

O prefeito não deixa dúvidas sobre ser devoto de Nossa Senhora de Nazaré. “Sou devoto e não nego. Neste momento forte de renovação de nossa fé, a cidade ganha com as pessoas que aqui moram e também com quem vem de fora do Estado, mas principalmente de nossos interiores, neste momento tão especial em que tudo ao nosso redor pulsa nessa grande corrente de fé”, destacou.

Limpeza - Mal a procissão do Círio passava e entravam em ação os mais de mil agentes da Prefeitura de Belém responsáveis pela limpeza do percurso por onde passaram mais de 1 milhão de fiéis.

Os trabalhos realizados pela Secretaria Municipal de Saneamento (Sesan) são acompanhados por mais de 280 catadores de materiais recicláveis que recebem apoio da Prefeitura. A expectativa é recolher em torno de 500 toneladas de lixo e 100 toneladas de materiais que serão destinados para reciclagem e fonte de renda aos catadores.

Após a passagem da romaria, as vias foram varridas e lavadas com mais de 15 mil litros de água da maré.

Foram aproximadamente 150 máquinas e equipamentos como carros coletores, caçambas, carro-pipa, hidrojato e caminhão muck utilizados para a limpeza, desde a Catedral Metropolitana de Belém até a Basílica Santuário de Nazaré, atendendo também vias transversais.

“O trabalho de limpeza antecede todas as procissões do Círio, em ruas, canais e redes de drenagem. Após a passagem dos romeiros, mais de mil agentes de limpeza realizam varrição e lavagem do trajeto. É um trabalho complexo e que conta com empenho de vários profissionais da Sesan”, detalhou Claudio Mercês, titular da Sesan.

“Buscamos, cada dia mais, aproximar nosso trabalho de limpeza ao envolvimento da comunidade.  Com o sentimento de pertencimento e o cuidado com os espaços públicos, conseguimos avançar no trabalho integrado de limpeza e melhorar o espaço que é de todos”, completou o secretário.

Por Dedé Mesquita

Nenhum comentário